Os mistérios do tratamento da dor lombar

dor-e-lbpTalvez não exista condição de saúde mais perturbadora a vida de uma forma geral do que a dor lombar. Estatísticas se arriscam dolorosamente a dizer que mais de 80% das pessoas terão algum episódio de dor lombar durante a vida. É muita gente com dor. Mais problemático do que a dor é o quanto a dor lombar gera de incapacidade nas pessoas.

Em 2015 a dor lombar e a dor cervical ocuparam o segundo lugar dentre as condições de saúde mais incapacitante de todas. E porque será que a tendência é ter mais gente com dor e mais gente com incapacidade?

Na verdade, a medicina moderna é muito ruim para tratar a dor nas costas. Isso porque mesmo com avanços tecnológicos, cirúrgicos, medicações, meios físicos e outros tratamentos considerados modernos, o impacto ainda está longe de ser o ideal. A dor lombar é muito mais um problema de saúde do que uma simples degeneração ou hérnia de disco.

Um ponto a se considerar diz respeito a descobrir a origem da dor lombar. Se a gente retirar da jogada as doenças graves como tumores, infecções, doenças reumáticas e outras condições, sobram entre 90 a 95% dos casos. E se encontra um diagnostico específico e portanto, ninguém sabe. Atribui-se quase 80% dos casos a dor musculoesqueletica. E outros viajantes no tempo e espaço afirmam que 80% são de origem visceral.

Ou seja, ninguém sabe. Então, se chuta!

O excesso de cirurgias sem a menor necessidade, meios físicos sem o menor efeito e mesmo assim são utilizados nos pacientes, orientações truncadas como repouso, médico decidindo o que o fisioterapeuta vai fazer, fisioterapeutas prescrevendo remédios e tratamentos invasivos, falta de avaliação adequada e por ai vai. E os casos de dor lombar provocadas por eventos emocionais? Quem trata?

Estamos em um momento do estudo da dor em alta, onde todos falam sobre dor, se sabe muito mais sobre dor do que a há 20 anos atrás, mas não conseguimos reduzir as estatísticas de dor no mundo. Algo está sendo feito de forma errada, precisamos admitir isso. Não somos bons o bastante para aliviar a dor das pessoas. E agora?

Devemos nos preocupar com a saúde e não com o desgaste na lombar. Devemos nos preocupar com a incapacidade e não com o disco que ficou preto (sem preconceito). Devemos nos preocupar com a qualidade de vida e não com a hérnia de disco que dizem que dói. E devemos nos preocupar com o impacto da dor na vida ao invés de olhar para o bico de papagaio (que não dói e esse também não fala).

E por que dói tanto? A dor lombar carrega ao longo das décadas uma série de conceitos, crenças, histórias, metáforas, problemas e coisas sempre ruins associadas. É de se esperar que sejam um problema muito ruim mesmo. Por isso, a dor lombar é temida e evita-se ao máximo sentir dor. Nosso modelo de saúde força a barra para se encontrar um causa específica onde a causa é inespecífica.

Quando não se sabe, se chuta!

Artur Padão – Dorterapeuta

#dorterapeuta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s