Medo de se movimentar? Você não está sozinho

dor e cinfoEm algum momento, você também teve receito de movimentar o corpo. Por algum motivo qualquer, evitou realizar algumas atividades por dor, por recomendação de outra pessoa ou porque simplesmente achou que deveria fazer isso. Nada de mais isso ocorrer. Essa é uma forma de proteger nosso corpo, talvez “evitar algo”.

Por isso, bola pra frente! Confrontar os receios de movimentar o corpo fazem você voltar a movimentar o corpo. E, “tchau” receio. Tem gente que faz isso facilmente. Mas, tem gente que não consegue dar um passo adiante. Acaba entrando num ciclo de evitação constante de se movimentar, ao estilo “nuvem negra” de ser (catastrofização), faz mais repouso e se dá muito mal. O próximo passo da evitação dos movimentos é a cinesiofobia, ou seja, medo excessivo e irracional de que o movimento possa machucar o corpo.

Para sair deste ciclo vicioso, doloroso, amedrontador e problemático, nada como um bom e indolor bate papo, retornando gradativamente as atividades, sendo exposto ao que provoca medo e vamos em frente. Isso é psicologia? Não necessariamente, mas isso é “malandragem carioca” 🙂

Exemplos de sucesso devem ser seguidos e por isso, recentemente, um jogador de futebol famoso estava cheio de fantasmas do movimento. Diante de várias lesões nas pernas, ele passou a diminuir o ritmo, chutar com cautela, evitava as trombadas com outros jogadores, não conseguia acelerar e frear o corpo e, com tudo isso, perdeu rendimento. E também perdeu sua vaga, sua visibilidade, perdeu o que sonhou em ser como atleta, ficou de lado e deixou de ser o que ele poderia ser. Psicologicamente, o abalo foi sísmico!

O problema não é a lesão no corpo, mas sim o quanto vulnerável você se sente. Isso é um curto circuito psicológico e tem que ser trabalhado por todos que assistem esse jogador. E foi exatamente isso que ocorreu. Ao longo do tempo, ele foi se preparando fisicamente e psicologicamente para ser o que ele queria ser. Isso também ocorreu pois sua equipe acreditava que ele teria estas condições. Não tem um tempo certo, como a cicatrização de uma lesão muscular. Cada um tem o seu tempo.

E simplesmente ele foi o melhor jogador do campeonato no ano de 2015. Muito maneiro, muito bem feito. Infelizmente, a reportagem do video acima só mostrou o trabalho físico sendo feito, o que também ajuda. Mas, acredite, se não tiver alguém no ouvido ajudando a espantar os fantasmas, encorajando, sendo positivista, encarado de frente junto ao atleta, só malhar não rola.

O que aprendemos com o enfrentamento das situações amedrontadoras? Se você não enfrentar, você não sai do lugar, com ou sem ajuda!

E os atletas que estão assim ao redor do Brasil, não tem essa assistência, ficam encostados para sempre e largam sua carreira? Infelizmente, não é todo mundo que se importa com o outro. Trata o atleta como uma mercadoria, que pode ser descartada se estiver avariada pois existem muitos outros querendo o seu lugar.

Medo de se movimentar? Acredite, você não está sozinho! Acredite, entre no modo Caça Fantasma que dá certo!

Artur Padão – Dorterapeuta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s